Nossa Juiz de Fora recebeu muitas influências alemãs com a chegada de mais de 1000 imigrantes em 1858. Hoje depois de cinco gerações seus descendentes já somam mais de 60.000 pessoas. É para esses descendentes que dedicamos esse divertido texto sobre algumas particularidades do idioma de nossos antepassados. A língua transporta não só conteúdo, mas também cultura, tradição, modo de viver e pensar.
No alemão as vezes existem palavras para explicar aquilo que nós brasileiros precisamos de várias palavras. Eles simplesmente unem as palavras „Volk” + „Wagen” e formam Volkswagen para descrever o “carro do povo”, mas no Português precisamos de um “do”, “da” ou “de” para unir duas palavras. Outro exemplo: na palavra „Deutschkurs”: „Deutsch” significa alemão e „Kurs” significa curso, juntas significam “Curso de Alemão”. É tudo uma questão de lógica para os alemães.
Outra curiosidade são as palavras que parecem enormes, mas com o tempo acostuma-se com elas. A dica dos professores do Instituto Autobahn é começar a ler essas palavras enormes começando de traz pra frente, pelo final da palavra. Vamos nos divertir? Por exemplo esse texto que você está lendo é um „Fremdspracheneigenheitenerklärungsartikel”. Não entendeu nada? Começando de trás pra frente: „Artikel” é artigo; „Erklärung” é explicação; „Eigenheiten” são particularidades; „Sprachen” são idiomas e „Fremd” é extrangeiro. Então em bom Português: este é um “artigo-explicativo-das-particularidades-das-línguas-extrangeiras”.
Mais confusão? Já ouviu falar que os alemães lêem os números ao contrário: 29 eles lêem “nove+vinte”, pois entre 21 e 99 eles falam de trás pra frente. Se você perguntar a um alemão quantos anos ele tem? Ele vai te responder: nove+vinte (29). Em que ano ele nasceu? três+oitenta (83). O idioma esconde ainda outras surpresas. Que o povo alemão é muito liberal já sabemos, mas daí o idioma ter três gêneros é loucura. Além de masculino e do feminino, existe um terceiro gênero: o neutro. A lua é masculina „der Mond”, o sol é feminino „die Sonne” e a menina é neutra „das Mädchen”. Pode?
Na hora de construir frases em alemão com verbos auxiliares e construções temporais, o verbo principal virá sóóó lá antes do ponto final. Imaginem essa frase simples com dois verbos: Eu quero comprar uma bicicleta. Mas em alemão o primeiro verbo vem sempre na segunda posição colado ao sujeito; já o segundo verbo vai obrigatoriamente para o final. Então como fica a frase em alemão? “Eu quero uma bicicleta comprar”. E você pode “encher linguiça” a vontade, mesmo assim o verbo ainda continua no final: “Eu quero amanhã pela manhã uma bicicleta rosa com pneu de asfalto na loja do seu Manuel comprar”. E piora, acredite! Quando se tem uma frase ligada a outra como por exemplo com “porque, se, quando ou que”, vai tudo lá pro final: “Ele disse que amanhã pela manhã uma bicicleta rosa com pneu de asfalto na loja do seu Manuel vender quer”. Percebeu? O alemão tem que esperar até ele ouvir o verbo no final da frase para saber se era vender ou comprar.
Seguindo essa lógica, em Alemão existem verbos que se dividem em prefixo+raiz. Imaginem os verbos brasileiros fazer e desfazer; um alemão falaria mais ou menos assim: “Eu faço um nó”, mas “Eu faço um nó des” – nesse caso com significado de desfazer o nó. Mas se tiver um verbo auxiliar esse prefixo voltará para o final e se ligará novamente à raiz do verbo e os alemães falariam: “Eu estou feliz, quando eu um nó desfaço”.
Mais diversão? Saibam que um prefixo adicionado a um verbo transforma esse verbo em outra coisa totalmente diferente. Para os que gostam de beber uma cervejinha – atenção – o verbo beber significa „trinken” em Alemão, mas „abtrinken” tem o significado de beber, porém beber só um pouquinho de um copo quase transbordando quando se serviu muita bebida. Já o verbo „austrinken” significa beber, porém beber até o fim do copo; „durcheinandertrinken” significa beber vários tipos de bebidas misturando tudo; já „tottrinken” significa beber até morrer. Lembre-se de esperar até o final para saber se o prefixo usado foi „aus” ou „tot”, pois isso significaria a diferença entre beber tudo ou beber até morrer. Nesse exemplo a frase ficaria assim: “O homem bebeu o copo de cerveja gelada com uns amigos no bar da esquina até o último gole” ou “O homem bebeu o copo de cerveja gelada com uns amigos no bar da esquina até morrer”. E isso é uma diferença enorme, né?!
Para os alemães essa ordem importa, e muito! E isso faz com que eles tenham criado o hábito de escutar muito bem os parceiros e não interromper aquele que ainda está concluindo sua frase e seu pensamento. Como consequência dessas construções, numa conversa em Alemão, muitos escutam e um só fala. Já na nossa cultura no Brasil, mesmo com as frases que trazem mais de um verbo, eles sempre estão logo no início. Por isso as pessoas se acostumaram logo que escutam os verbos a interromper quem está falando por acharem que já entenderam o que a outra pessoa queria falar. É por isso que as conversas entre brasileiros acabam virando uma sequência de interrupções – uma festa, um caos; os detalhes vão se perdendo e acabam muitos falando ao mesmo tempo e poucos se escutando. Neste momento podemos ver os alemães perdidinhos, coçando a cabeça e sem entender nada do que está acontecendo. Nem melhor nem pior, somente diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *